Sindicom Facebook Twitter YouTube

Sindicato dos Trabalhadores em Comunicação de Goiás

Arquivos por tag: Digital

Prepare-se para os principais eventos de Marketing Digital

O marketing digital é uma das áreas mais dinâmicas e inventivas que existem atualmente, sofrendo modificações e atualizações a um ritmo impressionante. Com tantas tendências em foco, não é difícil se perder em meio ao grande número de inovações e mudanças de paradigmas nesse setor.

Nesse contexto, os eventos de marketing digital podem ser uma excelente maneira de conhecer as novas táticas, plataformas e oportunidades deste ramo. Além de contarem com as opiniões e visões dos maiores especialistas do mundo do marketing, esses eventos também trazem ótimas oportunidades para networking, formação de parcerias e compartilhamento de experiências.

Confira agora esta lista que preparamos com os principais eventos de Marketing Digital no Brasil que você não pode perder!

  • RD Summit

Considerado o maior evento de Marketing Digital e de vendas da América Latina, o RD Summit, realizado pela Resultados Digitais, conta com dezenas de palestrantes e especialistas que dão seus insights exclusivos sobre negócios, empreendedorismo e as novas ferramentas do marketing digital.

Diferente dos anos anteriores, em 2017 o evento terá três dias, com muitas palestras, debates e oportunidades de networking com profissionais do Brasil e do mundo. Para este ano a organização espera mais de oito mil participantes ávidos por uma experiência única e completa.

A Resultados Digitais também preparou pelo terceiro ano seguido a RD On the Road, um evento itinerante que vai para as principais cidades do País com palestras, conversas super interessantes e uma ótima oportunidade de network. Esse ano o evento passará por 11 cidades de quatro regiões do Brasil. Em São Paulo ele acontecerá no dia 05/ 07, confira as outras datas aqui.

  • Expo Fórum de Marketing Digital

Produzido pela Digitalks, organização internacionalmente conhecida por seus cursos e eventos de Marketing Digital, a Expo Fórum reúne especialistas de diversos países, formando um enorme contingente de profissionais reconhecidos e inovadores; todos compartilhando conhecimentos de altíssima qualidade. O evento traz ainda um grande número de opções de workshops e entretenimento.  

A Expo Fórum acontecerá nos dias 30 e 31 de agosto e você pode se inscrever aqui.

  • Fire

Voltado ao empreendedorismo digital e ao mercado de infoprodutores, o Fire é um evento organizado pela Hotmart, uma das mais explosivas e promissoras empresas de vendas digitais do País.

Contando com dois dias de imersão pura e enorme quantidade de conhecimentos valiosos, o Fire tenta causar a seus participantes uma catarse, onde grandes profissionais de vários países colocam seus currículos ricos e suas mentes à disposição para que as tendências deste novo mercado sejam absorvidas e compartilhadas.

O evento conta com a participação de profissionais das maiores empresas do Brasil e do mundo. Acontecerá nos dias 31 de agosto e 01 de setembro em Belo Horizonte, Minas Gerais.

  • Social Media Week

Realizado em mais de 22 países, o Social Media Week é um evento de alcance global e oferece um número praticamente ilimitado de oportunidades de aquisição de conhecimento, crescimento pessoal e profissional, além do contato com profissionais de diversos cenários e realidades do mundo.

Com palestras inspiradoras, o evento traz o que há de mais novo e impactante no crescente mercado das mídias sociais. A organização do Social Media Week ainda oferece um grau variado de atrações gratuitas, visando alcançar o maior número possível de pessoas.

Essas reuniões devem ser aproveitadas ao máximo, pois elas irão oferecer a você chances únicas de conhecer os profissionais mais experientes e inovadores da área, além da possibilidade de fazer negócios promissores! Afinal, networking é um dos grandes pilares do marketing.

Este ano o evento acontecerá entre os dias 11 e 15 de setembro, além das dezenas de eventos realizados ao redor do mundo, confira aqui.

  • Planner Summit 2017

Estando em sua quinta edição, a Planner Summit é um evento que reúne profissionais de marketing e publicidade que desejam trocar experiências e conhecimento na área de planejamento.

São dois dias de workshops e palestras com conteúdo inovador e provocador, com a presença de excelentes planejadores de grandes agências e clientes. O evento acontecerá nos dias 19 e 20 de setembro, você pode se inscrever aqui.

  • INBOUND 17

Sendo um sucesso de público, o INBOUND 17 é realizado anualmente pelo Hubspot. O evento de quatro dias conta com a presença de profissionais de todo o mundo, seja da área do empreendedorismo, tecnologia ou marketing digital.

Nos últimos anos tivemos a presença de Rand Fishkin, Dharmesh Shah, Vera Jones, Serena Williams, Gary Vaynerchuk, entre muitos outras pessoas que trouxeram um rico e empolgante conteúdo sobre liderança, negócios, análise de dados, produção de conteúdo, além de trazer as principais tendências do universo do marketing digital e principalmente do inbound marketing.

Este ano o evento acontecerá dos dias 25 a 28 de setembro em Boston, nos Estados Unidos, você pode se cadastrar aqui, mas também é importante lembrar que mesmo não estando no evento é possível acompanhá-lo nas redes sociais do Hubspot. 

Fonte: agenciainbound.com.br

8 dicas para gerentes de marketing que trabalham em empresas tradicionais

 

"O verdadeiro empreendedor é aquele que empreende mesmo sendo funcionário de uma empresa". Você com certeza já ouviu ou leu algo parecido com essa frase. O que ela realmente significa, especialmente para gerentes de marketing?

Podemos dizer que essa frase está relacionada à autonomia e inovação. Pode parecer óbvio, mas nem sempre uma empresa está aberta à mudanças de pensamentos e cultura. Principalmente se estamos falando do departamento do marketing.

Não é tarefa simples estar a frente de uma equipe responsável por alavancar os resultados de uma companhia ao mesmo tempo que cuida do branding da empresa e de praticamente todas as estratégias. Ainda mais se ela for conservadora. Mas isso não significa que não seja possível inovar neste cenário.

É preciso buscar sempre a inovação

A falta de incentivo em inovação pode causar inércia entre os colaboradores e deixar o clima frustrante, o que não é nada bom para os gerentes de marketing. Um time desmotivado e sem autonomia não poderia render o esperado ou superar qualquer expectativa.

Sugerir novas ações pode ser um grande diferencial no competitivo mercado atual, até como destaque profissional.

Aí entra mais um entre os tantos desafios que já rondam a rotinas dos gestores de marketing nas empresas. Especialmente nos últimos tempos, em que cases de marketing online tem aberto as portas para inovações antes inimagináveis.

Como os gerentes de marketing podem inovar em uma empresa tradicional

Marcas conversando por meio de perfis nas redes sociais, ações conjuntas entre concorrentes, interações com a audiência. É um prato cheio para o mercado publicitário de marketing e aumenta o interesse de profissionais que gostariam de fazer a mesma coisa.

Mas estamos falando aqui de negócios e empresas de perfil mais tradicional, que se opõe ou resiste a embarcar nessas "ameaças modernas". Nossas primeiras dicas são para os gerentes de marketing capricharem nos argumentos, que são simples, mas necessários:

1 - Explique que novas medidas não vão afetar os clientes que a empresa já tem

Pelo contrário, a ideia é justamente evitar que os clientes tradicionais migrem para a concorrência. Perder audiência para os competidores é algo que nenhuma empresa quer, tradicional ou moderna. A questão é que os clientes atuais começarão a olhar a empresa com "outros olhos" e se acostumarão com ações mais pontuais e diferentes.


2 - Deixe claro que as mudanças irão agregar valor

Investir em novas medidas, principalmente no meio digital, não vai causar grandes mudanças, nem na cultura e nem na estrutura da empresa. O core do negócio de prestar um serviço de qualidade permanece o mesmo. Procure deixar isso bem transparente para a direção.

Ainda nesse sentido, mostre como os investimentos são relativamente baixos para o retorno que mais ações poderiam trazer. Falar em novas atribuições soa como "vou ter mais trabalho" para quem está à frente do negócio. Cabe ao gerente de marketing esclarecer que isso não vai acontecer.


3 - Podemos combinar os métodos tradicionais com outro digital

Um complemento à dica de que não haverá grandes mudanças, explique que a ideia é combinar métodos tradicionais com a digitalização. É válido buscar casos semelhantes no mercado para apontar que pequenas mudanças podem ser vitais até para sobrevivência do negócio.

Explicar para a diretoria da empresa a importância dessas ações é um momento de negociação. Sabemos que os gerentes de marketing não costumam ter problemas quando é hora de negociar. As próximas dicas são focadas em como colocar a mão na massa, mas acima de tudo, seja sincero na empresa em que você está.


4 - Use dados como base para suas indicações

Por muito tempo foi creditado ao marketing a prática de comandar ações por meio de opiniões muitas vezes subjetivas. Atualmente é possível lançar mão de informações concretas para dar embasamento empírico às propostas de ações.

Por exemplo, se a empresa nunca possibilitou a realização de novas ações nas redes sociais, apure os feitos da concorrência coletando dados de engajamento, compartilhamentos, interações, entre outras ações, para mostrar como investir em meios digitais valoriza a marca e traz resultados verdadeiramente mensuráveis.


5 - Adote metodologias ágeis para inovar e desenvolver o negócio

Empresas tradicionais têm uma grande vantagem: a base de clientes consolidada, independentemente do porte da empresa. E certamente esse consumidor já tem sua presença online, portanto, explore essa vantagem para ser reconhecido pelos clientes.

Aposte na metodologia, como as propostas pelo Agile Marketing. Processo simples e menos burocráticos, softwares para auxiliar na rapidez do movimento das informações e análise constante, respostas rápidas, entre outras ações, vão te ajudar a desenvolver as ideias e acalmar a tensão da direção.


6 - Sensibilidade em relação ao público

Ao mergulhar nos meios digitais, o contato com a audiência se torna mais completo, sendo possível medir sua sensibilidade. As pessoas estão buscando informações, fazendo também suas análises antes de escolher de quem comprar.

Os gerentes de marketing devem investir ações na relação com o público ao introduzir a marca no meio que ainda é novidade para a empresa tradicional.


7 - Conheça bem a audiência da empresa

Aproveite a base de dados que já está disponível na internet para explorar características da audiência. Mas focando na agilidade da metodologia, crie métricas para analisar e investir no que realmente é necessário para sua estratégia.

Ao fortalecer a atuação na internet, pode ser que você note diferenças entre o perfil que haviam traçado até o momento sobre o público da empresa e a audiência digital. Para que a atuação digital seja eficaz é preciso ficar de olho nesse termômetro.


8 - Analise a concorrência

Outra grande vantagem do marketing digital é a oportunidade de estudar casos dos competidores. Assim como olhar ao redor é essencial para convencer os dirigentes à inovação, também é importante para analisar o que pode ou não dar certo.

Claro que não estamos falando de buscar receitas prontas. Cada empresa tem sua identidade e metas e a estratégia digital deve se orientar por elas. Mas analisar os passos da concorrência sempre pode agilizar o seu próprio processo.

Em alguns casos nem mesmo a clareza dos argumentos e capacidade de negociação são suficientes para provar a importância da inovação em empresas conservadoras. Mas lembra o que falamos no início sobre empreender?

A conclusão é que o importante é não desistir. Por isso, empreender e inovar se confundem em seus significados. Sabemos que nesse cenário pode ser um desafio tomar novas ações, porém vale a pena conversar e fazer o seu papel.

Fonte: agenciainbound.com.br

Carta Aberta do UOL: é hora de repensar a publicidade online

Do UOL, em São Paulo

A crença na publicidade online foi abalada nos últimos dias. Alguns dos maiores anunciantes do mundo reduziram ou encerraram o investimento em algumas das principais plataformas de mídia digital.

Em pouco mais de duas décadas, a mídia digital tornou-se o "santo graal" da publicidade. A promessa de atingir o público-alvo com mais precisão, a sofisticação e diversidade de formatos, o enorme alcance e a capacidade única de medir resultados fez desse tipo de publicidade parte essencial de qualquer estratégia de comunicação das empresas. O que era nicho virou mainstream. Os pageviews se multiplicaram, e o investimento não parou mais de crescer.

A crença na publicidade online foi abalada nos últimos dias. Alguns dos maiores anunciantes do mundo reduziram ou encerraram o investimento em algumas das principais plataformas de mídia digital. O motivo? Propaganda associada a conteúdos falsos ou ilegais. Soma-se a isso a falta de transparência nas métricas para mensuração das entregas e resultados. Crônica de uma tragédia anunciada. E finalmente algumas empresas perceberam que colocam suas marcas em risco ao anunciar em páginas sem se preocupar com o conteúdo ou contexto que estra associada a ela.
Entendemos que essas notícias sinalizam o início de um movimento importante do mercado.

A discussão sobre contexto não é nova, e nem é específica das mídias digitais. Quanto mais denso e específico o conteúdo, maior o custo e a disposição do anunciante em investir nessa associação com sua comunicação. Sempre foi assim, seja na TV, seja nos jornais, revistas ou rádio. Mas, infelizmente, essa preocupação foi renegada a segundo plano com a consolidação de plataformas digitais globais, nas quais a própria audiência produz o conteúdo. Uma série de players do ecossistema digital disseminaram a tese em que uso de dados para alcançar o público-alvo já bastavam ou mesmo eram mais importantes do que em que tipo de conteúdo em que a mensagem é veiculada. Essa tese defende que ONDE veicular a campanha já não era tão importante. O discurso defendia focar 100% em QUEM via os anúncios. O mercado absorveu esse conceito com pouca ponderação, até os últimos acontecimentos.

Voltamos ao ponto inicial. Conteúdo transfere credibilidade e relevância para os anunciantes? O UOL acredita que sim. Há mais de 20 anos na produção de conteúdo independente, de qualidade, com transparência e credibilidade. Esses valores são pré-requisitos para que outros publishers façam parte da nossa rede. Entre os nossos mais de 300 parceiros, estão a Folha de S.Paulo, TV Bandeirantes, Cyber Cook, Vírgula, Olhar Digital, Brasil Escola, Rede TV, Gizmodo, Notícias da TV, Omelete, Glamurama, Jovem Pan, canais Discovery e ESPN, marcas que investem em produção de qualidade e que são reconhecidas pela audiência por serem referência nos assuntos que abordam.

Acreditamos em criar um ambiente digital de qualidade com grande audiência. Defendemos uma política de veiculação transparente com ambiente aberto para mensuração e controle por ferramentas contratadas pelo próprio anunciante. Nos apresentamos como empresa confiável para audiência e anunciantes, uma alternativa segura, com alcance, escala em produção de conteúdo e soluções publicitárias nos mais diversos formatos (display, native e video), com baixíssimo risco em associação com conteúdo indesejado, trafego fraudulento ou discrepância entre o que é contratado e o que foi efetivamente veiculado, ainda mais se comparando com investimento em "mar aberto", focado apenas nos dados de audiência.

Oportunistas tentam desqualificar a publicidade digital. Abandonar o meio é renegar os avanços que a internet trouxe e a credibilidade dos produtores de conteúdo jornalístico sério, capazes de oferecer associação de marca em contexto apropriado, com transparência para quem anuncia. É retroceder algumas décadas para não enfrentar o real problema. Content is king, dizia a velha máxima da publicidade. É hora de voltar a levar essa frase a sério.

 

 

MCTIC divulga lista de cidades que terão sinal analógico desligado em 2018

Segundo portaria publicada no Diário Oficial, 966 municípios passarão a receber somente o sinal digital a partir de dezembro de 2018. Documento também define requisitos para os conversores a serem distribuídos para as famílias atendidas por programas sociais

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) divulgou nesta segunda-feira (29) a relação dos 966 municípios brasileiros que vão ter o sinal analógico de televisão desligado em 2018 e passarão a contar somente com o sinal digital. A portaria nº 3.492, publicada no Diário Oficial da União, também estabelece os novos requisitos do conversor digital distribuído aos beneficiários do programa Bolsa Família e do Cadastro Único. Ao todo, o sinal analógico será desligado em 1.336 cidades até o fim de 2018.

A nova portaria complementa outras duas portarias, publicadas anteriormente, que detalham o cronograma de implantação do sistema de TV digital no país. O documento também determina mudanças no conversor digital, de acordo com o que foi proposto e autorizado pelo Grupo de Implantação da TV Digital (Gired). O equipamento garante a interatividade para o telespectador e terá, obrigatoriamente, controle remoto, interface USB, dois tipos de saída de áudio e vídeo, além de permitir a utilização de recursos de acessibilidade.

Os conversores digitais com essa configuração começarão a ser entregues às famílias do Cadastro Único na capital e outras cidades de São Paulo ainda neste ano. Nestas cidades, o desligamento do sinal analógico de televisão está previsto para 29 de março de 2017.

O gestor do processo de implantação da TV digital do MCTIC, William Zambelli, explica que o objetivo dessas diretrizes é garantir que uma parcela maior da população carente não fique sem sinal de televisão nas localidades onde ocorrerá o desligamento do sinal analógico até dezembro de 2018.

Ainda de acordo com a portaria 3.492, as cidades que não estão listadas nos cronogramas de 2016, 2017 e 2018 deverão ser desligadas até 31 de dezembro de 2023.

Com o desligamento analógico, a faixa de frequência de 700 MHz fica livre para a expansão da internet 4G em todo o Brasil.

Confira a portaria publicada nesta segunda-feira com a lista de cidades que serão desligadas em 2018 e os requisitos dos conversores  aqui

Fonte: MCTIC

Conselho avalia padrão de rádio digital

O Conselho Consultivo do Rádio Digital se reuniu, pela primeira vez, nessa terça-feira (23/10) para discutir qual padrão de rádio digital deve ser implantado no Brasil. Desde 2010, o país vem testando dois padrões de rádio digital. O primeiro, norte-americano, é o Iboc (HD Rádio); e o segundo, europeu, é o DRM.


Foram criadas três comissões que ficarão responsáveis por aprofundar discussões e decisões nas áreas de política industrial, inovação tecnológica e análise e acompanhamento dos testes técnicos.


Os sistemas foram testados, por meio de uma parceria entre o Ministério das Comunicações e o Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia) em São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e no Rio de Janeiro. Os resultados dos testes serão apresentados na próxima reunião do conselho, no dia 28 de novembro.


Ainda nesta semana, esses relatórios serão disponibilizados no site do ministério para avaliação de emissoras e entidades representativas do setor de radiodifusão e da indústria que, junto com representantes do governo federal e do Poder Legislativo, totalizam os 19 integrantes do conselho.


Duas outras reuniões do conselho foram marcadas para dezembro. Na primeira, prevista para o dia 6, haverá um debate entre representantes dos dois sistemas avaliados. No dia 13, a reunião será dedicada à apresentação de um estudo sobre rádio no Brasil.


A atuação do conselho consultivo envolve ainda temas, como financiamento da transição do sistema e parâmetros internacionais.