Sindicom Facebook Twitter YouTube

Sindicato dos Trabalhadores em Comunicação de Goiás

Arquivos por tag: empreendedor

As Grandes Lições do Pai Rico

 

As grandes lições do clássico Pai Rico Pai Pobre que podem mudar sua maneira de ver o mundo!

Por André Nunes

Dizem que a cada 10 livros que são lidos, apenas um deles faz uma revolução na sua maneira de enxergar as coisas. No meu caso, o principal livro que deixou lições que trago para minha vida até hoje foi o Pai Rico, Pai Pobre.

Esse clássico foi lançado em 1997 por Robert Kiyosaki e mostra as diferenças entre duas referências paternas da infância do autor: um deles era o pai rico (que não possuía formação acadêmica mas era excelente com negócios) e o outro era o pai pobre (professor universitário com excelente formação mas que está sempre em dificuldades financeiras).

Dessa maneira, o livro compara os caminhos dos dois pais e chama a atenção para forma na qual somos preparados para a vida, fazendo o leitor questionar o modelo amplamente espalhado na educação formal: "Vá para escola, tire boas notas e procure por um emprego seguro para ter uma boa aposentadoria". Esse modelo é chamado no livro de "Corrida de Ratos".

Saída da Corrida de Ratos

Fica claro no Livro que ter títulos acadêmicos não garante riqueza, pois geralmente passamos muitos anos no ensino formal sem aprender nada sobre dinheiro.

Portanto,  a educação financeira é a principal chave para a saída da corrida de ratos, pois sem ela, mesmo que tenhamos muitos recursos a disposição, não conseguiremos gerir eles da maneira adequada.

O dinheiro sem a inteligência financeira desaparece depressa. Ou seja, se você costuma gastar tudo o que ganha, o mais provável é que mesmo com um aumento do dinheiro disponível haja um aumento de despesas que o torna cada vez mais dependente do seu emprego.

Essa dependência gera medo e insegurança que não te permite reconhecer oportunidades que estão bem a sua frente ou mesmo arriscar para avançar para o próximo patamar de prosperidade.

Assim, o que importa não é quanto dinheiro você ganha, mas sim quanto dinheiro você conserva para posteriormente fazer esse patrimônio acumulado trabalhar para você gerando renda e tranquilidade.

Ativos x Passivos

Um dos conceitos mais importante desse livro é a definição que ele faz de ativos e passivos: os primeiros geram rendimentos para seu dono, já os passivos geram despesa.

O livro indica que a classe média compra passivos pensando que são ativos. E essa simples atitude os impede de formar um patrimônio que permitiria sair da corrida de ratos.

Um exemplo bem claro é pensar que um carro de uso pessoal seria um ativo. A definição do livro é clara ao indicar que esse bem gera despesas com combustível, manutenção, impostos e seguro. Isso sem contar que no caso de um carro novo há uma desvalorização de cerca de 25% do preço que você paga no momento em que sai da concessionária.

Por outro lado, o livro mostra que os ricos compram ativos que geram recursos e essa renda gerada que é utilizada para comprar artigos de luxo.

Outra definição importante fornecida pela obra é que a riqueza é medida pelo número de dias que a renda dos seus ativos pode sustentá-lo. Dessa maneira, a independência financeira pode ser alcançada quando a renda mensal dos seus ativos for maior do que suas despesas mensais.

Conclusão

Resumidamente, o autor indica que o caminho mais rápido para sair da corrida de ratos ébuscar conhecimento financeiro (para seguir as melhores estratégias de investimento) e se tornar bom com negócios (conhecendo sobre o mercado e as leis).

De fato esse livro é muito instigante, pois o autor te estimula (com uma linguagem muito simples) a sair do senso comum ensinado no ensino formal.

Por outro lado o livro peca por ter poucas sugestões práticas de como fugir da corrida de ratos. Essas poucas dicas são restritas a estratégias de imóveis que são específicas do mercado americano, tendo pouca aplicação prática aqui no Brasil.

De qualquer maneira, uma boa leitura como essa é capaz de te tirar do lugar e isso faz toda diferença para obter uma melhor qualidade de vida aproveitando melhor nosso suado dinheiro.

Fonte: administradores.com.br 

 

Empreendedores e atletas olímpicos têm mais em comum do que você imagina? Veja nosso duelo!

Resolvemos comparar a trajetória de um dos maiores empreendedores na área de tecnologia ao maior ganhador de medalhas da história dos Jogos Olímpicos. E aí, quem vai levar o ouro?

Por  Luana Clara

Focados. Determinados. Incansáveis. Essas três características podem ser atribuídas a qualquer  atleta que está na  Vila Olímpica para participar das  Olimpíadas do Rio, mas também podem facilmente representar um empreendedor de sucesso. E não é que esses dois perfis tem mais em comum do que a gente imagina? Atletas e empreendedores compartilham muitas qualidades que os conduzem ao primeiro lugar em suas modalidades, como resiliência, persistência, agilidade, alto índice de motivação e muita coragem, para citar apenas alguns.

Como estamos tomados pelo espírito esportivo, resolvemos comparar aqui a trajetória de um dos maiores empreendedores na área de tecnologia ao maior ganhador de medalhas da história dos Jogos Olímpicos. Já sabem de quem estamos falando? Isso mesmo, a disputa do dia é entre Michael Phelps e Steve Jobs. Quem merece ocupar o lugar mais alto do pódio?

Gênio das piscinas x Gênio da tecnologia

Michael Phelps: O nadador americano Michael Phelps já ganhou (até agora) vinte e duas medalhas de ouro em Olimpíadas, mais que o dobro do que qualquer outro atleta já teve na história. Esse é o legado que ele vai deixar para o mundo, mas nem só de glórias se faz um superatleta. Em 2009, um escândalo causado por uma foto que mostrava o herói fumando maconha rendeu três meses de suspensão, falta aos treinos, perda de foco (o esporte o ajudou a tratar o Distúrbio de Déficit de Atenção). O fato de ter voltado com tudo na Olimpíada de Londres (2012), quando levou para casa quatro medalhas de ouro, parece não ter sido o bastante para recuperar a paixão pelo esporte. No campeonato nacional americano, em 2014, Phelps não venceu uma única final e ainda foi pego pela polícia dirigindo acima do limite de velocidade e alcoolizado. Mais uma suspensão e a Olimpíada do Rio parecia uma realidade muito distante. Após seis semanas em uma clínica de reabilitação no Arizona, o atleta começou a encontrar o equilíbrio para colocar a vida nos eixos novamente. Resolveu voltar a nadar e buscar o ouro. Ressurgiu como um Fênix e já conquistou 4 ouros no Rio. E parece estar mais feliz do que nunca.

Steve Jobs: Gênio indomável. Visionário. De personalidade difícil. O cara que criou as bases da Apple aos 20 anos, na garagem da casa dos pais, e construiu um império no setor da informática. Mais do que isso, aquele que revolucionou a forma como nos relacionamos com a tecnologia. Mas, olha aí, sua trajetória também não é feita só de vitórias. Em 1985, Jobs foi demitido da própria empresa após perder uma disputa com o corpo executivo. Esse poderia ser o fim, afinal, o que pode ser mais humilhante que ser despedido da empresa que você mesmo criou? Que nada, ele não se deixou abater. Enquanto esteve fora, fundou a NeXT e a Pixar e voltou ao lugar mais alto do pódio da Apple em 1997, quando foi oficialmente nomeado CEO interino. Foi nessa fase que criou produtos de enorme sucesso como o iMac, iPhone, iPod e iPad. Em 2007, Jobs foi nomeado a pessoa mais poderosa no mundo dos negócios pela revista Fortune. A única batalha que perdeu foi para um câncer no pâncreas, que o levou em 2011. Seu nome, contudo, ficará pra sempre na história.


Fonte: administradores.com.br

5 estratégias olímpicas para seu empreendimento em 2016

Aprenda com os atletas

Rosana Rocha

2016 será nosso ano olímpico no Brasil, então, porque não aplicamos as estratégias de grandes treinadores para alcançar a melhor performancenos negócios e em todos os setores de nossa vida?

Para os grandes nomes do coaching, a crise é a grande oportunidade para você inovar, desenvolver e estabelecer.

Então, se está pensando em iniciar um novo empreendimento ou mudar o campo de investimento que já realizou, pense como um atleta para verificar em sua gestão por resultados, qual será seu rendimento e em qual plataforma vai subir: ouro, prata ou bronze?

Pratique a tolerância, a adaptação e a cooperação.

Vamos começar pela paz: no trabalho, nas relações, na família. Quando um dos setores não vai bem, parece que algo falta.

Paz é a primeira palavra de ordem todo início de ano.

"A verdadeira paz não é meramente ausência de tensão; é a presença da justiça." Martin Luther King - ele combatia a não violência.

Seja um líder que capacita outros. Anthony Strano, conferencista mundial considera que é preciso "criar um espaço onde todos se sintam respeitados e valorizados não importa quem ou o que eles sejam". Ainda afirma: "A tolerância é a criação de um espaço para interação de qualidade".

1ª. Estratégia - tenha um espírito olímpico de competidor ético em todos os setores. Respeite opiniões contrárias, porque manter a vida excelente também inclui expressar o nosso respeito pela qualidade e sustentabilidade da paz, da cooperação e da adaptação: isso é tolerância. Acomode outras opiniões, porque elas abrirão caminhos para seu crescimento pessoal e profissional.

Pratique o discernimento e a coragem

Nuno Cobra, treinador de Ayrton Senna, criou uma estratégia de pensamento simples ao capacitar uma dona de casa a atravessar o Canal da Mancha, porque ela sempre olhava adiante e pensava: "Ainda falta metade para eu atravessar".

Nuno aplicou sua motivação dizendo à nadadora que voltasse e no meio do canal deveria olhar para trás e pensar: já consegui nadar a metade do canal. Ela mudou o pensamento e finalmente atravessou!

O herói tem habilidade para através da introspecção e observação, de discernir e decidir o próximo passo e qual curso de ação seguir.

Adote a postura do herói! Tenha a coragem de ser honesto interna e externamente sobre suas limitações e possibilidades de mudar e avançar.

2ª. Estratégia - qualquer que seja o objetivo que tenha traçado, os obstáculos virão e o desafiarão a desistir. Nesse momento aplique a estratégia de Nuno e diga: "Já cheguei até aqui e vou continuar!". Adote o hábito de refletir sobre as estratégias mentais que podem ajudar você a alcançar melhores resultados. Enfrente um dragão por dia e poderá no final, ser o campeão da arena.

Adquira novos hábitos

O jogador americano de tênis - Timothy Gallwey ao explicar a trajetória entre sistema nervoso e movimento muscular propõe a Teoria das Trilhas dos Hábitos.

Gallwey ensina a abandonar esquemas mentais, não combatendo costumes velhos adquiridos, mas sim iniciando novos hábitos.

Riedel ao citar o pensamento de Prentice Mulford ensina que se todos os dias fizermos um pequeno esforço, por mais simples que seja, treinaremos a mente a desenvolver e educar a vontade.

3ª. Estratégia - ao iniciar um novo empreendimento adquira novos hábitos para que seu sistema nervoso crie novos caminhos de criatividade, movimento, ação e estratégias.

 

O Jogo interior influencia o jogo exterior

Goleman, ph. D. fala sobre os programas de meditação de atenção plena que grandes empresas criaram para seus líderes e executivos. Com a prática desse método ocorre a redução da atividade no córtex pré-frontal, liberando a presença no aqui e agora.

Tolle, pesquisador do poder do agora, declara a importância de realizarmos monitoria constante de nosso estado mental e emocional pela auto-observação: "Estou me sentindo à vontade neste momento?".

No ambiente de trabalho a presença plena possibilita maior criatividade, melhor gestão do tempo, economia de recursos, capacita o colaborador a desenvolver empatia com seus companheiros de trabalho e com seus clientes: o que resulta na identificação de oportunidades, desenvolvimento de competências e fortalecimento da missão.

Crie programas de qualidade de vida em sua empresa para que as pessoas possam praticar o autoconhecimento e gerir suas necessidades para selecionar prioridades e estarem presentes de corpo e mente quando o trabalho solicitar. Não há necessidade de grandes investimentos para isso: um mural motivacional, mensagens na intranet e via celular, indicação de palestras são ações econômicas.

4ª. Estratégia - valorize seu potencial e de seus colaboradores através da qualidade nas interações. Propicie um ambiente participativo e motivador para gerar lucro em seus resultados finais. Aplique a técnica de Losada que explica matematicamente que para cada interação negativa (avaliação oufeedback com críticas, indiferença), deve haver três positivas e elas podem ocorrer através de um reconhecimento ou elogio de trabalho, motivação, gestos, etc. Cientificamente melhora aperformance e o desempenho. Essa tática mantém a qualidade nas relações conforme explica Vieira, ph.D.

 

Faça a Gestão do Tempo

Christian Barbosa ensina como gerenciar o tempo através da tríade: família, trabalho e vida. Estabelece como ponto de partida ações de reflexão, estabelecimento de metas, planejamento, organização e execução. Seu método se baseia nos princípios: aliviar a mente, planejar, prevenir, priorizar e equilibrar.

Autoestima significa fé em si mesmo e para administrar o seu tempo você precisa acreditar que é capaz. Qualquer oscilação nessa área vai comprometer seu rendimento.

O gerenciamento do tempo requer três ações: priorizar, organizar e manter o foco.

Quando sentir pressões internas e externas, pratique o hábito de respirar em quatro tempos e expirar soltando as tensões em seis segundos. Repita o processo três vezes ou até sentir-se melhor e com maior clareza mental.

Economize palavras - elas representam 30% do que está sendo dito. Gerencie a essência delas, seus gestos e atitudes. A prática de perceber o jogo interno e externo, já citada - vai ajudar nesse propósito também.

5ª. Estratégia em 4 passos: 1) pratique observar os pensamentos para reduzir a frequência e eliminar os indesejáveis. Substitua os pensamentos inúteis por úteis que são aqueles que você vai realizar de fato; 2) alinhe suas ações a uma consciência adequada à realidade (separe o real do ilusório), trabalhe com fatos; 3) seja um líder altruísta: identifique seus valores e virtudes, anote-os em um papel e fortaleça-os; 4) habitue-se a escrever em um diário e uma vez por mês escreva seu Swot pessoal - consiste em uma ferramenta em que você coloca quatro quadrantes e anota o tema equivalente em cada um para melhorar suas estratégias de ação. Um quadrante para forças internas, outro para as fraquezas internas, o terceiro para oportunidades externas e o último para as ameaças externas.

O líder mais competente e influente é aquele que primeiro venceu a si mesmo, por isso indico essas práticas de autoliderança para melhorar a gestão do tempo.

Você pode ter esperado que eu falasse da descoberta de novos nichos de mercado ou planos de ação, porém você é o empreendedor e para que seu negócio seja um sucesso, ele deve começar por você.

No calendário da BK - Organização não governamental afiliada ao Departamento de Informações Públicas da ONU - há a motivação para que a pessoa se autoavalie ao final de cada mês, assinalando a opção ouro, prata ou bronze através dos desenhos das medalhas.

Assim, também convido você empreendedor, que em 2016, a cada mês avalie sua atuação seja como inventor, inovador, criador, líder, executor - em um quadro, para que ao final do ano possa contabilizar não só os lucros financeiros, mas também seu autoprogresso e sua satisfação interior.

Seja um empreendedor de alta performance em 2016.

Lidere-se para vencer 2016 e subir ao pódio para receber sua medalha de ouro!

 Fonte: www.administradores.com.br