Sindicom Facebook Twitter YouTube

Sindicato dos Trabalhadores em Comunicação de Goiás

Agressões da PM paulista a radialistas e jornalistas

Fitert e Sindicatos filiados pedem apuração de responsabilidade sobre agressões da PM paulista a radialistas e jornalistas


As cenas de violência policial contra estudantes que protestam contra o aumento dos valores das tarifas de transporte público na cidade de São Paulo têm chocado o país e o mundo já há alguns dias. Os episódios de ontem, no entanto, se converteram em escândalo mundial que envergonha o país a dois dias do início do primeiro megaevento que será realizado em terras brasileiras - a Copa das Confederações. A Anistia Internacional se manifestou contra a violência perpetrada pela polícia militar do Estado de São Paulo.


O terror estatal ficou mais evidente na prisão e agressão a radialistas e jornalistas que, desempenhando seu trabalho, mostravam a brutalidade policial em fotos e vídeos. A diretoria da Fitert classifica a ação policial deste dia 13 como "inaceitável" e já acionou o Grupo de Trabalho (GT) sobre Direitos Humanos dos profissionais de jornalismo no Brasil, iniciativa da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República integrada por diversas entidades, incluindo a Fitert, para que sejam apuradas as responsabilidades.


"É absolutamente inaceitável o que PM paulista fez ontem contra a manifestação pela redução do valor das tarifas dos péssimos transportes coletivos que temos. As agressões a radialistas, jornalistas e fotógrafos foi uma ação evidentemente consciente para tentar esconder a violência descabida contra estudantes. A Fiter atuará no GT de defesa dos comunicadores da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e para assegurar que providências imediatas sejam tomadas para punir os agressores da liberdade de expressão e do direito à informação. E a responsabilidade não é só dos policiais que agiram com aquela brutalidade toda, mas também do governador do Estado de São Paulo, comandante em chefe da Polícia Militar. E consideramos que o prefeito Fernando Haddad poderia ter atuado no sentido de chamar o governado
r à responsabilidade com a população, os profissionais de comunicação e o Estado Democrático de Direito", afirma o coordenador da Fitert, José Antônio Jesus da Silva.

 

Manifestacao _1

Foto: Rodrigo Paiva/Agência Estado

 Manifestacao _2

 Foto: Avner Prado/Folhapress

Manifestacao _3 

 Foto: Diego Zanchetta/Agência Estado

Manifestacao _4 

Foto: Divulgação Movimento Passe Livre