Sindicom Facebook Twitter YouTube

Sindicato dos Trabalhadores em Comunicação de Goiás

Valorização Profissional

 

Sindicom defende piso salarial nacional dos radialistas. 

Uma das metas da campanha pela valorização dos trabalhadores, intensificada pelo Sindicato, é a aprovação do piso nacional dos radialistas. 

A atuação do Sindicom em prol da valorização dos profissionais e do respeito aos direitos dos trabalhadores em comunicação, que foi intensificada em 2012, continua firme e ainda mais forte neste ano. E um dos objetivos deste trabalho é a aprovação do piso salarial nacional dos radialistas.

O Sindicato entende que a valorização do profissional passa pela oferta de condições adequadas de trabalho, o respeito à carga horária contratada e a garantia dos direitos dos trabalhadores e passa também por uma remuneração digna, compatível com a responsabilidade, a qualificação exigida, os riscos enfrentados, enfim, o trabalho realizado pelos radialistas.

A criação de um piso nacional dos radialistas, defendida pelo Sindicom, acabaria com a disparidade salarial ainda existente entre emissoras de uma mesma cidade e, principalmente, entre veículos de comunicação das capitais e do interior dos Estados. Um detalhe: esse piso já existiu, mas deixou de ser aplicado em 1948.

Desde então, parte do movimento sindical vem defendendo a fixação de um novo piso salarial. A boa notícia é que, desde maio de 2012, tramita na Câmara dos Deputados um projeto de lei que fixa o piso salarial dos radialistas.

De autoria do deputado André Moura (PSC/SE), o projeto fixa em R$ 2.488,00 o piso para uma jornada semanal de 30 horas, valor que seria atualizado anualmente com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Para o deputado, a falta de uma legislação que fixe o piso nacional dos radialistas deixa a categoria em situação desprivilegiada com as disparidades da remuneração proposta pelo patronato em negociação com os sindicatos de cada estado.

O PL, que tramita em regime conclusivo e aguarda parecer da Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público (CTASP), já enfrenta resistência na Câmara. O deputado Darcísio Perondi (PMDB/RS) apresentou uma emenda contrária à aprovação do piso nacional. Por isso, é necessário que os radialistas se mobilizem em prol da aprovação do projeto na Câmara.

O presidente Miguel Novaes conclama os trabalhadores de Goiás e do Tocantins a participarem ativamente desta mobilização, entrando em contato com os deputados federais e senadores dos dois Estados - após aprovação na Câmara, o PL seguirá para o Senado. Esses contatos podem ser feitos por e-mail e pelas redes sociais e devem mostrar a importância da aprovação do projeto. "Para ser valorizado, o profissional tem de ser bem remunerado", afirmou o presidente, que ressalta que o Sindicom vem trabalhando também pela valorização salarial dos demais trabalhadores em comunicação.

Piso nacional X Disparidades salariais

R$ 2.488,00 é o valor do piso salarial proposto pelo PL 3982/2012, quase o dobro do salário médio inicial pago nos últimos seis meses em vários estados, por exemplo, a um repórter de rádio e/ou televisão com curso superior completo. Confira:

Amapá: R$ 1.260,00

Ceará: R$ 2.017,00

Goiás: R$ 1.456,00

Mato Grosso do Sul: R$ 1.255,00

Paraná: R$ 1.943,00

Pernambuco: R$ 1.460,00

São Paulo: R$ 2.081,00

Rio Grande do Sul: R$ 1.587,00

Rio de Janeiro: R$ 1.742,00

Tocantins: R$ 1.600,00

Fonte: Portal Salariômetro, que calcula a média dos salários iniciais dos últimos seis meses com base nas informações lançadas mensalmente pelas empresas no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).